JEAN COCTEAU E JEAN MARAIS

JEAN cocteau Jean marais Imaginemos que, no momento dessa foto, Jean Cocteau deu esse pequeno poema de sua autoria para Jean Marais ler (tradução de Dirceu Villa):

TUMBA DE SÓCRATES

O que distingue essa tumba
Das outras, dito de passagem,
É que aqui não vêm as pombas,
Mas dois cordeiros da pastagem.

Visitadora, não vos vexe
Esta sábia vítima dos tolos:
Foi a graça do vosso sexo
Que ele amou nos garotos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *