Duas falácias de Fernando Schüler desmontadas sobre luta de classes e regulação da mídia

Fernando Schüler, “cientista político”, é um chulo (desculpem o trocadilho) quando…

1) …diz, como disse várias vezes na BandNews e em outros lugares, que o PT e Lula criaram uma guerra cultural no país que justificaria o “outro lado”, da extrema direita. Desonestisade intelectual. O “outro lado” está encrustrado na sociedade há seculos, é (ou era) o mainstream, o status quo. Contestá-lo trata-se apenas de uma consequência do óbvio, de uma contrargumentação, contrarresposta, contracultura. Luta de classes tem no mundo todo, com exceção de países pequenos e autosuficientes e sem grandes diferenças e urgências flagrantes entre as pessoas. No resto do mundo, os exemplos são concretos e diários. O PT e o Lula, assim como diversos outros partidos e pessoas, apenas reproduzem ou criam discursos e narrativas que até podem ser condenáveis do ponto de vista político (nos exageros e manipulações) ou filosófico (emponderamento e rebaixamento tacanhos e perversos), mas que não são a causa, já são consequências da constatação da violenta realidade social, das disparidades entre setores públicos e privados, das desigualdades socioeconômicas flagrantes em nosso cotidiano… Além do mais, todos nós sabemos que existe um modelo estrutural e padronizado na nossa sociedade do homem branco, rico e hétero, do monoteísmo, da família enquanto formação social dominante, controladora e cerceadora, e que qualquer coisa destoante disso (qualquer devir) enfrenta preconceito, racismo, homofobia, machismo, fundamentalismo. Esse modelo ideal de perfeição, “melhor do que todos os outros”, estrutura que também é psíquica, é que é fundante em todo o ocidente e no Brasil e é ele o causador da grandes cisões e desigualdes, porque ataca e rebaixa o resto e o diferente. As novas gerações se cansaram disso e estão produzindo um verdadeiro boom a favor das multiplicidades… Mas basta não viver numa bolha para constatar declarações, ações e reações intolerantes, hidrofóbicas e violentas que são absolutamente flagrantes e cotidianas em nossa sociedade, que remontam os séculos quando o assunto é redução da pobreza, direitos iguais, medidas de inclusão, compartilhamento de espaços entre ricos e pobres, entre negros ou mulatos e brancos, entre as várias sexualidades, e por aí vai…

2) …diz, como disse no programa Canal Livre da Band (também do grupo Bandeirantes), na madrugada dessa segunda (9/04), que a regulação da mídia, chamada por ele de “controle” da mídia, é algo “medieval”. (Claro, comentarista televisivo e radiofônico, figura carimbada da grande mídia não vai desagradar patrão e holofote; prefere matar todo sendo crítico da ciência política e da filosofia.) Mais medieval e imperialista e antidemocrático é a monopolização atual das informações no Brasil e no mundo, o poder de disseminação centralizado e monopolizado e (realmente) controlado por meia dúzia de oligarquias e dinastias interesseiras. Assim como há uma canibalização do mercado, há também uma canibalização da informação e do discurso (“jornalístico”) a nível nacional, às vezes mundial. Nada mais ultrapassado, num século de Internet e vozes e mídias alternativas e regionais… As novas gerações estão em outra; estudos e pesquisas atestam que a televisão, por exemplo, tem sido assistida majoritariamente no mundo todo por gente mais velha e reacionária – neste particular só consigo lembrar da questão do Brexit, em que um colega meu, inglês morando em São Paulo, disse: “os velhos assistem que os imigrantes estão roubando suas riquezas e o emprego dos ingleses… grande parte dos jovens votaram contra…” Analogia tenaz com essa massa seletiva que fecha os olhos para a direita e ataca tudo o que possa vir da esquerda. A televisão é palco, portanto, de grandes sensacionalismos que impactam e movimentam a opinião pública de forma perniciosa e danosa, com grandes concluios por trás. A regulação, na verdade, não só é uma forma de democratizar a mídia, como também é um debate absolutamente contemporâneo, importante e correto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *