A arte permanece

Diz-se (ouvi da boca de George Steiner, num vídeo) que, em 1880, Gustave Flaubert, na cama de morte, disse:

– Como posso morrer aqui como um cão, enquanto aquela puta da Madame Bovary vive para sempre?!…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *