Os três tipos de poeta segundo Ezra Pound

Para mim, os dois maiores ensinamentos do ABC da Literatura de Pound são a) a afirmativa de que grande literatura é linguagem carregada de significado até o máximo grau possível e b) a caracterologia dos poetas. Sobre o primeiro discorro noutra oportunidade. Sem consultar ou reler o livro, de forma mais ou menos apressada, o segundo ensinamento pode ser resumido assim:

1. Inventores: São poetas criadores de novas linguagens, novos tipos de estrutura poética. Seminais. Divisores de água. Poetas de primeiro nível e de primeira grandeza.

2. Mestres: Não raro dotados da semente da invenção, mas sempre trazendo consigo o sentido de obra acabada, às vezes com o subsídio dos inventores.

3. Diluidores: Poetas menores, menos importantes, não necessariamente desprezíveis, mas que escrevem com a linguagem do seu tempo e que não se alçaram às duas categorias anteriores.

Sem mais.

Obs. 1: Essas categorias não são estanques. Noutras palavras, um mesmo poeta pode transitar por essas três categorias ou expressar mais de uma durante sua vida.

Obs. 2: Um revoltado mais arrogante do que eu, que encara Pound de forma fundamentalista e seu livro como se fosse a Bíblia, disse que existem outras três categorias depois dessas. Ora, para mim estas bastam – ele que, demasiadamente identificado com as outras três, faça uma postagem sobre elas! No programa Outras Palavras, o próprio Augusto de Campos, na entrevista que\\\\\\\\\ coloquei no meu canal do YouTube, cita essas três e descarta as outras.

Ps.: Através da ótica exata e precisa de Pound, é possível fazer julgamentos de valor estético sobre poesia, literatura, e qualquer outra arte: é possível discutir em termos realmente interessantes, longe dos achismos e do senso comum, por que um poeta é mais substancial do que outro, por que este artista está acima daquele, por que esta obra é superior àquela. Nesse sentido, a intervenção crítica de Pound é uma postura inovadora! Escrevi longa argumentação sobre níveis artísticos e de repertório que muito tem a ver com a divisão proposta por Pound. O texto é este: O que é boa obra de arte e o que é obra de arte ruim? http://fernandograca.xyz/2016/07/02/o-que-e-boa-obra-de-arte-e-o-que-e-arte-ruim/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *