Literatura é mesmo um troço formidável!… A Arte em geral.

Sem muitas obrigações acadêmicas ou pessoais, gasto meu sagrado tempo de Kairós com meu livro. (São vários inconclusos me chamando i me demandando, mas estou falando daquele que merece a pena no momento, Terra e Flutuação: Brasília.) Literatura é mesmo um troço formidável!… É preciso sempre se deixar redescobrir isso. A Arte em geral. De repente, você sente que perdeu completamente a obra. Perdeu. Ou é sua vontade que secou ou é a inspiração que não vem mais. Obra perdida… Sem o mesmo sentido ou o mesmo por que de antes. Como a vida pessimista, niilista, cansada, impotente, passiva… Mas, de repente, uma única palavra brota, ou uma cor na tela, um traço, uma ideia, por menor que seja, que ressuscita totalmente o significado da obra — a sua IDEOLOGIA, isto é, sua supraideia, sua metaideia, seu Begriff, como diria Hegel em alemão –, o vulcão que todos julgavam morto i que de repente solta novamente suas lavas quentes, ou algo muito menor do que isso, mais simples, o sentimento intenso detalhista i processual, de costura, i você finalmente engata de novo… Pode vir “à toa”, ou com uma ideia de outra área ou de outra arte diferente da sua, ou intrinsecamente, simplesmente relendo i a se entusiasmar de novo.

#diariodeumlobinhodaestepemuitosexyeintelectual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *