A propósito de Ferreira Gullar, genial poeta da Luta Corporal e do Poema Sujo, ex-stalinista e neoconservador a escrever textos ruins na Folha

ferreira gullar fernando graça 2

Ferreira Gullar, genial poeta da Luta Corporal e do Poema Sujo, ex-stalinista e neoconservador a escrever textos ruins na Folha.

genial poeta da Luta Corporal
e do Poema Sujo, e só.

ambos os livros são inovadores
e seminais na história da literatura brasileira:
o primeiro, um desbravar gradativo
em torno da forma poética, partindo da tradição
até termos iconoclastas e originais,
numa busca neurótica em alargar
os limites estéticos da linguagem;

o segundo, todo um novo uso
de palavras sórdidas, obscenas, pornográficas,
geralmente consideradas antipoéticas
para o panorama brasileiro,
incutidas dentro de um contexto político e brutal.

toda sua produção posterior
não está à altura inovadora de ambos os livros:
é preferível ler Drummond e João Cabral,
embora, perto desses,
Gullar esteja mais para o fraco Neruda…

ele próprio não está à altura do poeta que foi,
sobretudo por sua forma distorcida de pensar,
seu espírito vendido para a cafona ABL,
suas amizades suspeitas com oportunistas,
seus ataques seletivos e parciais,
sua inaptidão em escrever bons ensaios;
sempre do lado errado da História:
ex-stalinista e neoconservador
a escrever textos ruins na Folha…

idade não é desculpa:
vide Augusto de Campos que,
assim como Haroldo e Décio Pignatari antes,
espraia erudição e consciência.

Comments

  • Eu leio os artigos de Ferreira Gullar no site da ABL.Não estaria você (sempre tão lúcido),confundindo o homem e suas opiniões (equivocadas) com o artista?

    Ademar Amancio 10 de outubro de 2016
    • Desculpe, mas não consigo separar homem de artista. Isso eu aprendi com os russos e com os grandes artistas.

      Fernando Graça 14 de outubro de 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *