Intragável

Minha mãe recebe muitas visitas, tem muitas clientes em Santos. Esses dias chegou uma mulher. Fui eu quem atendi e ela ficou curiosa a meu respeito. Minha mãe acabou respondendo que moro em SP e sou da literatura, ou que faço Letras. A mulher então me chamou e perguntou se eu conhecia o Augusto Nunes, porque é irmão dela. Borges já alertou, num de seus contos, sobre o abismo que há entre a literatura e o jornalismo, que é área menor e dispensável. O que dizer então do jornalismo gracejador, sensacionalista, comprado, seletivo, descaradamente parcial? Embora busque sempre coisas mais augustas, claro que conheço: é aquele apresentador do Roda Morta (triste aparato de propaganda do governo de SP, do PSDB em geral e, agora, também do desgoverno federal) e colunista da inVeja (revista que dispensa apresentações), coisas que não disse, é claro, só sorri simpático, porque não é do meu feitio fazer mamãe perder cliente.

Comments

  • Não tem nada a ver jornalismo e literatura,mas por ser um rapaz inteligente (pensou ela) poderia conhecer o seu irmão.Eu acho que na minha cidade ninguém conhece Augusto Nunes.

    Ademar Amancio 15 de agosto de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *